Arquivo da tag: Talita Denardi

“Nessa semana irei me casar” ou “Você acha mesmo que esse blog é romântico?”

Tudo podia acontecer exatamente na hora certa
ex. meu sono
e seria tudo extremamente chato
ex. o seu timing.

Acontece que decidi acreditar
(bem antes)
que hora certa é um conceito muito errado,
do mesmo jeito que às vezes decido dar uma chance pra coisas que a princípio acho um pouco enfadonhas
ex. Susan Sontag.
Absolutamente certo?
Qualquer pessoa que possua um lado racional além do emocional
ex. capricorniano com ascendente em Gêmeos e lua nunca descobri
não pode avaliar certezas a menos que tenha provas concretas, cabíveis,
e pelo menos com cara de eternas
ex. Maria Callas canta bem, apesar de não fazer meu estilo.
ex. quem sai na chuva de fato vai se molhar.
É por isso que acredito que, sim, o destino pode não existir,
coincidências podem ser apenas coincidências,
ser dono único e solitário de sua própria vida soa desesperador por um lado e ao mesmo tempo te dá aquela sensação boa de “se me foder vai ser culpa minha mas se dar certo vai ser por minha causa também”.

Nessa semana irei me casar.
É esquisito, estou tranquilo. Outras coisas também são esquisitas
ex. Talita vai se mudar pra França de vez em menos de 24 horas e fuma um cigarro como se fosse ontem, não grita como a Toninha da Augusta e nem criou uma queloide de tanto estalar os dedos.
Se você quer mesmo saber o que me preocupa nesse exato momento é
1) quase nada
2) jogar revistas fora
3) arrumar o armário que tem roupa saindo por todos os lados
4) o que será que existe de romântico em um dragão dourado comendo uma cabeça? – bem, talvez as pessoas continuem sem saber encontrar palavras certas pro que querem dizer e eu continuo exigindo muito de tudo e de todos inclusive de mim mesmo
ex. não lembro agora, mas me diga você

Também me preocupo se ele tomou remédio e se ele está dormindo bem.
Ele tem a sobrancelha grossa, um nariz que eu acho a coisa mais deliciosa do mundo e a cara de praia mais adorável que eu já vi – apesar de nunca ter visto outra mas certeza, se chegar a ver não será nem um pouco adorável como a dele. Possui um talento espantoso pro mal humor, e não gosta de cortar as unhas dentro de casa, gosta muito de Pizza Hut e seus olhos são duas pequenas e doces jabuticabas.

quer dizer,
soa romântico,
mas juro que é
(na minha cabeça)
outra coisa.
talvez também seja romântico,
mas outra coisa.
e talvez por isso eu não seja poeta, sou outra coisa.

2011, um ano surpresa

Minhas metas pra 2011 eram:
juntar dinheiro pra viajar;
receber a herança pra viajar;
fazer yoga;
comer menos.

Sabe qual que eu cumpri?
Nenhuma. E 2011 foi maravilhoso.

Vamos lá:
. 2011 foi o ano dos 30. Eu descobri que ter 30 é tipo ter 20, mas com mais dinheiro. É sério!
. Talvez por agora eu ter 30 lembrei de muita coisa. Fiquei lembrando, lembrando. Lembrei que eu amava Doors. David Bowie. Lembrei de um monte de música que eu amava. Baixei tudo de novo.
. Morei com a Talita esse tempo todo e a gente não se matou. Pelo contrário, a gente se amou horrores.
. Fui pro Rio, foi OK.
. De repente pintou uma coisa esquisita enquanto eu estava no Rio.
. Foi legal.
. Virou bizarro.
. Escafedeu-se e eu prometi que nunca mais faria isso de novo.
. Fiz isso de novo, e acho que foi menos de um mês depois de prometer não fazer.
. Adorei e adoro.
. People are strange.
. Assisti uma penca de shows. Passeei uma penca em SP mesmo. Comprei um iPhone. Joguei Pokemon. Não viajei mas foi como se fosse.
. De repente pensei em casamento e percebi que eu sou um bobo falastrão que sempre fica falando coisas, pensando outras e ainda fazendo outras. Mudo de ideia e todo mundo fica pra mim: “Ué, mas não era você que odiava casamento?” Mas até aí, quem nunca.
. Nunca escrevi tão pouco aqui. Mas isso é um sinal: sinal de que estou preferindo viver lá fora.

Planos pra 2012?
Continuar exatamente do mesmo jeito.
Só que completamente diferente.

Passou não

faria eu um poema pra ele
mas só se tivesse palavras

“a vida é boa demais, Jorge”, diz Talita, “e eu lamento por isso, teria aproveitado tão mais”

Talita

MISTÉRIO SEMPRE HÁ DE PINTAR POR AÍ
e não adianta nem

cenas da década passada e uma foto que comprei nessa década

(mas oh, por que eu estou voltando ao passado,
acho que é só saudade de ver alguém dormindo quando o dia está amanhecendo)

tinha muita raiva dela.
ela era grande, pesada, preta e obsoleta.
não a entendia muito bem,
e ele a entendia, porque na verdade não era questão de entender,
era brincadeira do acaso,
e naquela época eu não sabia muito bem brincar com o acaso,
eu sabia brincar de dublar uma música cafona ao lado de uma menina loira e grisalha.

aliás, isso eu sei até hoje.

hoje
(exatamente hoje)
eu sei que na verdade minha esperança era ser uma smith de um mapplethorpe
mas eu só chegava a no máximo uma fernanda abreu mal sucedida
e mapplethorpe
– que eu sempre falo mappletorphe não sei o porquê –
não era dos acasos,
pelo contrário.

e depois eu vi galinhas sendo criadas no quintal da frente daquele lugar outrora tão charmoso mesmo mofado,
tão charmoso misterioso,
tão estranhamente cruelmente próximo de alguns anos da minha vida e,
bem,
galinhas,
engordei,
quis ser hippie,
e depois mas antes disso eu mesmo quis ser mapplethorpe
e depois ele teve o seu mapplethorpe momentâneo
que estava mais pra goldin mas também já tinha um mapplethorpe dentro de si
e bem depois eu quis ser,
quase exatamente nessa ordem,
abreu (o escritor, não a cantora)
hilst
denser
hall
singer (o judeu, não a profissão)
– lispector não, nunca quis ser lispector, nunca tive alma de dona de casa –
masina (quis um pouco, não quis muito)

enfim quis ser muita coisa
até que lembrei que eu podia ser eu mesmo e a década acabou,
o grande dragão dourado não arrancou a cabeça de ninguém,
não morri de catapora morando sozinho,
não vi um ET,
viva drew barrymore
que viu o ET e hoje faz comédias românticas.

Fim da década passada.
Veja bem, esse texto não fala de amor, esse texto fala de arte.
Nessa década, comprei uma foto daquele lugar feita por Goldin,
ela tem um colchão e o sol bate no colchão.
Ninguém dorme no colchão.
Custou R$ 1.
Fim.

Obs.: vou escrever o nome do Ricardo aqui depois do fim porque caso contrário ele se sentiria muito triste se um texto meu sobre o sobrado não incluísse seu nome. Ricardo Domeneck. Pronto, agora inclui.

Por que você deveria amar Ro Rô?

Explicado?
Hein?
Cumékifika?

(foi Talitíssima que me mandou dessa vez)

não pega mulher nem quando tá bêbado, jorge?

nem qndo tô bêbado! juro! já passei dessa fase! nem a talita eu pego! HAHAHA

Ask me anything

Qual sua musica preferida pra cantar no karaokê?

Killing me softly com a Talita. A gente canta a versão em português da Marry de cor, é maravilhoso.

Ask me anything