Arquivo da tag: Jogos do Olhar

As cenas são muitas

Parecem as pedrinhas de um mosaico.

ISAURA S/A + 1 Experimento Hidráulico
todas as quintas de maio e junho
no CTH – Centro Tecnológico de Hidráulica
Av. Lúcio Martins Rodrigues, 120
(rua da ECA esquina com rua da raia olímpica)
Cidade Universitária
ingressos somente com reserva: jogosdoolhar@gmail.com

Anúncios

Dona Isaura

Originally uploaded by Djoh

AGORA COM LOGO!!
ó lá o logo da Apego!
tá, tá pequeno, eu sei, não dá pra ver direito. droga.

ISAURA S/A + 1 Experimento Hidráulico

E aí?
Então… vai rolar.

Quintas de maio e junho às 20h30
Laboratório de Hidráulica/CTH
Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 120 (rua da Biblioteca da ECA esquina com rua da raia olímpica) – Cidade Universitária
Reservas: 9652.8410 ou jogosdoolhar@gmail.com

 

A hidráulica é um local estranho

Originally uploaded by Djoh
 

 

Publiquei várias fotos no Flickr para provar que sim, a hidráulica é bizarra.

Vai lá no www.flickr.com/photos/djoh para ver.

Kings of the beats

Eu estou de ressaca por causa do REI DAS BATIDAS.
Mas gente, podia ser pior. Podia ser por causa do QUINTA E BREJA.

***

É muito complicado quando tem um homem dormindo do seu lado… mas ele é hétero.
Droga.
(Nada pessoal, Clóvis, você é legal)

***

O figurino do Jogos do Olhar está me deixando contente. Tem até amarelo combinando com roxo!
SÉRIO.
Também tem homem de saião transparente (oi?) e renda.
Renda?
É, às vezes eu falo uma coisa, mas você não pode levar muito a sério.

Ói

Acho fino.

Jogos do Olhar
Clica aí para ver e ir.

My personal retrospectiva de 2007

2007 foi o ano de:

. Ficar irritado em trabalhar no jornalismo de moda. A gente é muito subserviente à indústria – mas existe outra maneira de sobreviver? De qualquer forma, nós somos coniventes com o consumismo desenfreado (enquanto sabemos muito bem que não precisamos produzir mais roupas, já existem roupas o bastante) & ANTES DE MAIS NADA com os escravinhos.
Sério. Isso não se limita aos escravinhos bolivianos do Bom Retiro contratados por orientais – e olha aí, A GENTE SABE QUE ISSO EXISTE e mesmo assim faz a festa na José Paulino. Os escravinhos também trabalham para a Prada.
E meanwhile, nós, jornalistas cagões, temos que pagar nossas contas portanto não cutucamos nenhuma onça.

. Ficar irritado (ou não) com o meu peso.
A idade chega, né, minha gente? Com ela, chega a barriga.
Às vezes eu fico bem bolado, mas depois eu penso: porra, esse não foi o ano da Britney aparecer no VMA de barrigucha de fora?
Viva a barrigucha. Fora a ditadura dos esbeltos!
E vai dizer que você nunca viu uma barrigucha tipo Britney passeando pela Visconde de Pirajá?!

. Reaprender a ser eu. Ai, que hippie. Mas é sério. Depois de um longo relacionamento, quando você separa é todo um recomeço. Porque de certa forma você perdeu o referencial de quem você era sozinho, antes de juntar, sabe? Você não lembra mais se você tinha certos hábitos porque eram seus mesmo ou porque você ADQUIRIU no PACOTE relacionamento.
Aí toca a ir em show que no fundo você nem curte, e perceber ali no meio: “Ei! Mas eu nem queria estar aqui!”. E aí o seu ex aparece e você se toca: “Ah, era para eu estar aqui se eu estivesse com ele… Mas eu não estou mais com ele. Er… TÁXI!”.
OK, o exemplo foi meio babaca, mas eu juro que é por aí que você chega em questões mais profundas.

. Despedir-me do status Estudante. Não que isso vá durar muito – o meu pai já me perguntou quando eu vou começar a assistir aulas de ouvinte, e minha mãe só falta comprar um caderno novo para me INCENTIVAR.

. Perceber que eu sou bacana, apesar de barrigudo (HAHAHA). Eu atraí pessoas bacanas esse ano. Tudo bem que eu não tenho o maior dos sex appeals (existe plural para isso?), e tudo bem que eu desaprendi a paquerar, mas ah. Esperava um saldo bem menor, sinceramente.

. Encontrar mais e bons amigos. Maior exemplo é Monayna! Olha que declaração pública linda! Mas também teve mais gente: a Mari, a Deborah, o povo do Jogos do Olhar (a Verô, claro)… E a reaproximação com a Ana Laura depois da volta dela também me deixou muito feliz.

. Chorar e rir. Ambas as coisas, muito – a primeira mais pro começo, a segunda mais pro fim. Deve fazer bem para a pele.

2008 provavelmente será um ano de redescobrir caminhos possíveis. Os anos pares costumam ser mais generosos comigo do que os ímpares, mas eu estou começando a desconstruir essas crenças – mesmo porque 2007 foi bem bacana, no fim das contas.

E num desses dias Ana Laura me disse uma coisa que ela fala que é citação de algum pensador – esqueci o pensador, esqueci o contexto, mas a quote ficou na minha cabeça.

Lend yourself to the others.
Give yourself to yourself.
Será mesmo que é melhor eu só me dar para mim mesmo?