Arquivo da tag: Elle

Jorge, quais revistas, nacionais e internacionais de moda vc recomenda?

AMO A NYLON. Gosto da Criativa. Estou gostando de várias coisas da Elle ultimamente. Adoro a Vogue Paris – gostava mais da Vogue Itália mas a gente tem andado meio afastado hahaha Gosto tb da Love.

Ask me anything

3 capas que eu amo


Elle França, março de 1975


Vogue UK, janeiro de 1964


Elle França, maio de 1975

O que você acha da revistas de moda nacionais? Elas são boas referências pra quem pretende seguir carreira de produção/jornalismo de moda? Alguma preferência por alguma?

Gosto muito da FFW, tenho gostado da Elle, tenho gostado da parte de moda da Criativa.

Ask me anything

Tá vendo no que dá?

Deixa as mulheres usarem transparência, deixa!

alice-dellal-transparencia
Alice Dellal na festa da Elle em Londres, ontem.

mia-grammy-2009-1-01g
M.I.A., grávida, de House of Holland no Grammy.

Ficaram líndias, não? Credo. Periguetagem ultrapassando barreiras.

Eu adorei o desfile da Anna Sui

E sinceramente queria saber o que a Thais Losso achou…


Thais Losso – Anna Sui, ambos verão 2009

Fotos do desfile de Anna Sui no Abril.com (com as modelos sorrindo, lindas, adorei – não que seja a primeira vez que isso acontece, mas combinou com o desfile!)
Fotos do desfile de Thais Losso na Elle
Minha nota no Abril.com

E aí, Thais? Conta para gente o que você achou? Tô curioso mesmo!

Entrevistado!

Saiu uma entrevista comigo no Bainha de Fita-Crepe! Adorei as perguntas, bem pertinentes, mas é só para quem se interessa bastante por jornalismo de moda, mesmo – não espere coisas tipo “Qual a última roupa que você comprou?”.

você também encontra entrevista com Natália D’Ornellas (da L’Officiel), Alcino e Vivi (da Folha) e Simone Esmanhotto (ex-Elle, e autora do informatívíssimo C’est Sissi Bon). Tô adorando essa coisa de entrevistas com o meio – é bacana porque é mais espaço virtual para discussão boa, enriquece o nosso trabalho.

E adorei a frase do Alcino: “Ao invés de assistir Sex and the City cinco vezes, assistir pelo menos uma vez Les 400 Coups (Os Incompreendidos, François Truffaut, 1959), por exemplo”. É isso aí. Sarah Jessica, você me diverte mas desculpa, o Truffaut me torna um ser-humano melhor.

Aliás, saiu a programação completa da mostra da Helena Ignez que eu falei no post anterior (veja atualização) no Guia da Folha (sem sinopses…) e também recebi uma programção de uma mostra do HSBC sobre Ingmar Bergman. Ui, que cult!