Arquivo da categoria: quadrinhos

Questionário Dourado com Karine Alexandrino

Adoro essa mulher! Karine Alexandrino é autêntica como poucos, inteligente – e portanto meio doida como toda pessoa muito inteligente – e engraçada. Tem 2 discos gravados e promete o fim da trilogia pra breve (recomendo fortemente os outros dois!). Não tenho muito pra falar de Karine porque apesar de gostar muito dela e considerá-la uma amiga, a gente se conhece muito pouco porque se encontra muito pouco! Quem sabe isso muda em breve…

Pra exemplificar que ela faz mesmo o que quer e bem entende, respondeu o que quis pro Caminho Dourado. Então, voilá… Questionário Dourado com Karine Alexandrino, a mulher tombada!


Gloria & Karine – amo essa foto

1. Me diz um filme que você gostaria de ter feito, e o porquê.
Queria ter terminado uma faculdade careta. Assim teriam me enchido menos o saco e eu seria considerada ‘levemente” normal.

2. Me diz uma coisa que você comprou e nunca usou. Por que você nunca usou?
Um fusca. Nunca o usei porque ele não funcionava.

3. Qual é a fase da sua vida que você quer lembrar pra sempre?
A fase em que eu era um turbilhão mental. Espero que essa fase volte a me ‘assolar’.


Ninguém verá!

4. Qual é a palavra que você está usando muito agora?
Auto sustento.

5. Me conta uma coisa muito exótica que você amava nos anos 90.
Amava estudar. Em tempos de ctrl c e crtl v, isso é exótico.

6. Me fala o que te faz rir muito, e o porquê.
Personas do tipo porra loca, assim viscerais, que são otimistas. Meio bizarras.

7. Que personagem de novela você gostaria de ser? Por quê?
A Melina de Passione. Porque ela tem o mesmo corte de cabelo que eu e só veste roupas legais, o que nem sempre é o meu caso. Ela é tipo Valentina de Crepax, é por isso.


Fina!

8. Me diz um defeito seu e um defeito meu.
Sou muito preguiçosa, cada vez mais preguiçosa. E você não tem defeito, você é perfeitommm.

9. Qual é a música mais linda que você já ouviu?
Ana Luiza, do Tom Jobim.


Ignora a foto do vídeo, gente, é horrorosa

E corre no MySpace de dona Karine, caso você ainda não conheça.
(L)!

Anúncios

Tina, Leila, María Elena

Finalmente o post tão prometido.

Não se fazem mais mulheres fortes e admiráveis como antigamente. Hoje a gente tem o quê?
Madonna – já nas tabelas.
Amy Winehouse – risos.
No Brasil a coisa fica ainda mais complicada. Camila Pitanga? Marisa Monte?

Estou me referindo a mulheres que revolucionam. Que nos fazem repensar os papéis.

Tina e Leila possuem, nisso, muito em comum.

Tina Modotti já foi atriz, fotógrafa e acabou se tornando uma comunista ferrenha. Morreu em conseqüências esquisitas, em um táxi, em 1942. Tina era fodona: dizem que era uma mulher lindíssima, enlouquecia os homens, provocava ciúme nas mulheres. Posava nua para um de seus amantes – naquela época, pense só. Dizem que um retrato seu alcançou valor recorde em uma casa de leilão. Dizem que quem o arrematou foi… Madonna.
Dizem também que foi ela quem apresentou Frida Kahlo para Diego Rivera. Responsa, né?

Tina era tão malucamente foda que, ao falecer, ganhou poema de Pablo Neruda em sua lápide.
Tina Modotti, hermana, no duermes, no, no duermes.

tina-modotti-bandolier-corn
Bandolier, corn, guitar, de Tina Modotti, 1927. Uma das minhas fotos preferidas dela, apesar de dizerem que o que Tina gostava mais de fotografar eram pessoas.

Veja mais algumas fotos lindas de Tina Modotti. E leia Modotti: uma mulher do século XX, quadrinhos de Ángel de la Calle publicado pela Conrad Editora que é uma das coisas mais fodas. O cara tem o tema tão intrínseco em sua vida (“É um projeto de vida”, me lembra, mais uma frase poderosa saindo da boca de Verônica Veloso) que consegue passar isso para a obra. Você percebe que tudo é autêntico e feito, acima de tudo, com autenticidade, dedicação, amor. Lindo demais.

Ya pasarán un día por tu pequeña tumba
antes de que las rosas de ayer se desbaraten,
ya pasarán a ver, los de un día, mañana,
dónde está ardiendo tu silencio.

Se Leila era tão maravilhosa, mulherão admirável como Tina, a impressão que eu tenho é que a brasileira era mais solar. Também tinha idéias de esquerda mas, antes, parece-se mais com a Tina que viveu no México e fez sua revolução pessoal, com mais ação e menos discurso.

Tina, nessa época, usava calça comprida e vivia com um homem com quem não era casada. Era artista, prafrentex. Leila falava palavrão quando queria, tomava cachaça quando queria, ia para cama com quem queria mas acima de tudo exercia a felicidade. Não fazia as coisas para chocar, fazia as coisas que a deixavam feliz.

Leila Diniz é protagonista de um dos meus filmes preferidos do cinema, e um dos filmes que me fizeram gostar de cinema nacional: Todas as mulheres do mundo. Por causa dele Domingos de Oliveira também se tornou um dos meus cineastas preferidos.

O filme está disponível INTEIRINHO no YouTube, mas eu recomendo comprar em DVD e rever uma vez por ano, para acreditar na humanidade, na beleza, no amor e no mar.


Participação de Leila em Os paqueras, de 1969, no papel… dela mesma! Repara que ela é o maior caroço: pede para experimentar tudo e sai com uma sacolinha! HAHAHA


Leila dança em um show de Dalva de Oliveira, que ela adorava. A atriz não era chique, não era elegante, não era fashionista. Mas eu dançaria com ela SEMPRE.

“Brigam Espanha e Holanda
pelos direitos do mar
O mar é das gaivotas
que nele sabem voar.

Brigam Espanha e Holanda
pelos direitos do mar
porque não sabem que o mar
é de quem o sabe amar”.

A poesia é de Leila Diniz.

Pode ler o artigo da irmã de Leila, Lígia, chamado Leila Diniz: um feminino que se realizou. E corre para comprar Leila Diniz: uma revolução na praia, de Joaquim Ferreira dos Santos, da Companhia das Letras. É um livro lindo, bem escrito, esclarecedor para entender porque essa mulher revolucionou os costumes de sua época.

Finalmente, a María Elena de Penélope Cruz no filme de Woody Allen (a saber, Vicky Cristina Barcelona) por si só é uma proeza. Nenhum cineasta americano tinha conseguido fazer Penélope ficar realmente bonita, no seu auge, como Pedro Almodóvar. Allen conseguiu. E na verdade só a incluo aqui entre Tina e Leila porque María Elena é o arquétipo da artista instigante. Do tipo que mais nos interessa e do tipo que cada vez mais falta: a artista que vive sua arte. Que exerce sua arte plenamente.

Arte está virando trabalho de horário comercial.

Curti – mandei msg, dez tópicos

1. Comi ostra todo dia. Sim, era uma meta da viagem. Aliás, comi em lugares deliciosos. Comer foi o que eu mais fiz. Adoro comer na praia, peixe é fresquinho e tal.

2. Choveu pencas – NÃO RIA.

3. Fiz o meu joelho ficar ridicularmente bicolor: metade branco metade vermelho.

4. Assisti Vicky Cristina Marcelona em um cinema incrível. O cinema mais incrível que eu já fui. Fotos em breve.

5. Raul & Mari são ótimas pessoas, merci pela companhia. Dona Ruth, merci também, a sua casa é linda!

6. Os garçons são as pessoas mais interessantes de Florianópolis.

7. Mulher bêbada é uma benção. Mulher dançando agrega valor.

8. A: Por que a gente existe?
B: Não sei, aconteceu. Agora o jeito é fazer algo com isso.

9. Li o livro da Leila Diniz que acabou de ser lançado pela Companhia das Letras. Vontade de viver perto do mar para sempre – mas um taxista manezinho disse: “ENJOA”. Li também Frango com ameixas e os quadrinhos sobre Tina Modotti. Ambos incríveis, comento mais depois.

10. Fui no museu lá em Floripa. A exposição me inspirou MUITO. Sem brincadeira. Mais detalhes, também, depois.

Beijos, vou trabalhar. Fim-de-semana começa Fashion Rio, tá sabeno?

Você, caro leitor, precisa ler Fun Home

Se você tem uma relação a ser revisada com o seu pai – ou, no mínimo, instigante.
Se você é homossexual.
Se você é sensível.
Se você foi uma criança problema.
Se você gosta de histórias estranhas & bonitas (AKA agridoces).
Qualquer uma das anteriores: leia.

Flávia que me sugeriu, eu comprei na Rainbow. E ela já tinha dito que eu ia gostar. Taí, gostei.

O novo point

Galeria Garden.
Lá vai ter loja superbacana de decoração e a Cream, marca de lingerie da Patrícia Grejanin (Laundry e Mint).
Lá já tem o Juisi e a Rainbow – onde eu comprei uma HQ ótima que depois eu comento (a Bia que tá lendo primeiro) e um livro com uma megaentrevista com Almodóvar.

E lá agora tem internet wireless! ADORO! Agora eu tenho lap, eu posso usufruir desse TIPO DE SERVIÇOS.


A fachada da Rainbow

Tem Turma da Mônica Jovem no Mygazines!!

Ó lá!

SPOILER:
Aviso logo que você vai ficar irritado: Cebolinha, agora Cebola, não troca mais o “erre” pelo “ele” (só quando fala com a Mônica, por quem é apaixonado!!!); Cascão toma banho (!!!); Magali se preocupa com a alimentação (???). Ou seja, tudo errado. O Franjinha agora se chama Franja e é gatinho, o professor é o Louco (quê), o Anjinho virou Céuboy (que cafona), Capitão Feio virou Poeira Negra (ui!)…
E a história é tipo assim de aventura, bem mangá, nada a ver com a Turma da Mônica original.

Momento engraçado:
Mônica: “Lembro! Parecia que a gente fazia sete anos todo ano!”
HAHAHAHA

Ah, eu quero!

Extracool: as camisetas da Uniqlo com desenhos de mangá antigos!
*suspirinho*
Who cares about American Apparel in Brazil? EU QUERO A UNIQLO, pô! Mesmo porque a American Apparel vai ser cara. Eu sei. Não adianta me enganar.