Arquivo da categoria: brasília

Vc viaja mto?

Pelo Brasil, sim. Vou pelo menos 2 x por ano pro Rio, costumo ir pra BH tb, às vezes pra Brasília e às vezes Fortaleza. E gostaria de viajar mais, na verdade, mas o dinheiro e o tempo não permitem hehehe

Ask me anything

nonde?

na ponta daquele dentinho de vampiro,
dentro daqueles pequenos corações de galinha do Bam-Bam,
na camiseta preta com bolso que é minha mas ele sempre usa,
no táxi,
na pala,
no ragga,
no sofazinho do Espaço que tem rodas e que, se bobeia,
tá lá do outro lado, legitimamente móvel.

no toque do celular,
corro e vejo no visor:
é ele.

em tudo isso morro um pouquinho,
o peito se aperta numa prensa
e eu penso
CÉUS
onde está o meu sobrenome Diniz
e o consequente jatinho particular?

Retrospectiva 2009 do Caminho Dourado!

Eeeeeee!

Mais um ano se vai, né?
2009 não vai tarde, não, porque eu devo confessar que AMEI 2009. Foi o ano de…

. Mudar de emprego mais uma vez! Blog LP foi uma surpresa e eu devo confessar que amo cada vez mais, cada dia que passa, trabalhar lá, amo o que faço, e provavelmente continuarei fazendo isso durante muito tempo! ALIÁS: em 2009 TODO MUNDO do Blog LP mudou de emprego! A equipe é toda nova, com menos de um aninho, e cheia de gás. Dá uma olhadinha no editorial de brilhos incrí que fizemos – e que o povo que visita o site pelo MSN fica gongando! haha
Segredinhos dos bastidores: a Lilian me entrevistou… sem voz! Foi a entrevista de emprego mais estranha da minha vida! hahahaha

. Foi um ano que a magia cigana ficou mais quietinha e deu lugar pra outras coisas e valores. Magia cigana é bom e te deixa leve, mas às vezes é bom coisas pesadas pra carregar e te manter com o pé no chão.

. Continuo conhecendo um monte de gente e ficando chocado com isso. Será que eu nunca vou parar de conhecer gente? Além de trabalhar com Antonia, o que já é maravilhoso por ter me reaproximado dela, descobri a Aurinha e o Marcel, que são dois lindos! Isso, só no trabalho: conheci mais um monte de gente, nem vou enumerar pra ninguém ficar triste.
E Brisa merece menção especial, sorry: BEIJOS, BRI!

. O Coletivo Teatro Dodecafônico está a todo vapor. E não pára – não pára – não pára não! Adoro trabalhar com Verô e com as meninas, é muito enriquecedor pra mim, me tira um pouco da bolha da moda. É um respiro.

. E a convivência com a Verô em si sempre me é muito agradável e acima de tudo cheia de fermento. Faz pensar, faz crescer. Adoro tomar cerveja só eu e ela, a gente sempre fala coisas que rebatem, fico pensando nos papos depois e depois.

. Viagens (praticamente pros mesmos lugares!), redescobertas. A viagem que eu fiz pra Floripa foi a mais esquisita: a gente quase não foi pra praia, e ao mesmo tempo ela foi tão cheia, lotada de significados… Cada vez mais as viagens são pros mesmos lugares e mais pra dentro de mim. Hippie, né? É o meu jeitinho.

. Jornalista, figurinista e… DJ residente. HAHAHA amo! Eu tô praticamente me aposentando da noite, mas confesso que adoro – cada vez mais – tocar.

. E quanto aos amores?
Olha, esse ano não foi fácil de amores até quase o fim, mas eu sou brasileiro e não desisto nunca. Agora, nesse exato momento, estou muito feliz e muito confiante. Muito apaixonado, muito etc. E com uma certeza esquisita – por ser tão certa – de que 2010, nessa área, será calmo, quentinho, fofo, e acima de tudo lindo.
Eu achava que estava procurando alguém de um jeito, mas não. Eu tava procurando um jeito novo. Ou sei lá o que eu tava procurando. A gente se preocupa muito com o que procura, e não com o que encontra. Tenho falado disso com a minha irmã.

. Engraçado, uma irmã minha reclamou que eu não era muito amigo dela. E o resultado foi… que eu fiquei mais amigo da minha outra irmã. Alguém explica? Nena?

. Perder a inocência é muito, muito bom. Não se pode nem se deve gostar de todo mundo. Tem gente ruim e chata no mundo, é uma questão de sobrevivência. Só os do bem sobrevivem por aqui nos arredores… Simples assim. Somos seres sociais, mas isso não quer dizer ser amigo de todo mundo.

Em 2010, as risadas continuam, hein?

Guerreiros: reginem! Feliz tudo!

Em Brasília…

Onze horas.

Tchau, vou viver e já volto!

(e nada mais importa, Karin Feller lê meu blog, beijos)

Da aridez

Da aridez se fez um temporal.
Vi pingos grossos de chuva
de dentro do McDonald’s,
o parquinho do Ronald vazio –
nenhuma criança brincava –
mas eu não estava triste.
Só estava fora do eixo.
Só estava por fora.
Só estava.

Sinto tontura na cadeira do hotel.
Toda vez que sento, batata.
Batata é do grupo que Antonia chama
de calorias vazias.
Devem ser evitadas.

Evito? Corro?
De encontro com
ou ao encontro de?
De encontrão,
de esbarrão –
me diz você,
essa tontura
é amor
ou é o calor?

Alphaville

Falavam sobre Brasília na van enquanto eu morria de sono e observava as carcaças de concreto vazias pela janela.
Falavam que Brasília era uma cidade cruel.
Falavam que Brasilia era uma cidade que não era feita pra pessoas.
“Olha esse tanto de concreto, que horrível”

Enquanto isso, eu pensava em como estava arrependido de não ter ficado dormindo no hotel e em como acho Brasília bonita.

Um vasto vazio.
A paisagem construída.

“Brasília é uma cidade pra carros”

All the modern things
like cars and such
have always existed

“Brasília é uma cidade que não tem calçadas”
Brasília é uma cidade que a gente inventou e não dá conta da própria invenção.
Amo a ideia dessa cidade estranha, considerada cruel por alguns, que não tem calçada, que foi feita pra ser planejada e entendida e no fim ninguém entende. Um plano que não deu certo.

Um dia vou pedir pra Verô pra gente pensar em uma peça sobre Brasília.
Uma Alphaville, como Isaura S/A era uma Alphaville, mas sem água.
Um teatro que não é teatro sobre uma cidade que não é uma cidade.
Um teatro que nega sua teatralidade sobre uma cidade que renega habitantes.
Tudo que é árido causa estranhamento em seres que possuem 70% de água no corpo.

Terça-feira, BH. Sobreviverei a tantas cidades planejadas?

E o fim do post anterior é de verdade, tá?

Bia, bota mais água no feijão, bjs!

A Monstra Internacional

Quer tanto ver pega um retrato
e guarda na carteira.
O filme entrará em cartaz em pouquíssimas sessões
da Mostra Internacional competitiva
e não, não entrará em circuito nacional, porém
talvez ocorram mais algumas exibições pra poucos
e bons
em pequenas mostras sobre coisas maravilhosas,
esplendorosas,
e esquisitas
daquelas que entram no CCBB
e absolutamente ninguém do seu círculo social
fica sabendo.

Diga, caro frequentador do Reserva.
Quer ver o filme pra
aplacar seu ego cinéfilo?
Chegar a conclusão que não valia mesmo a pena
comprá-lo e exibi-lo
no cinema mais próximo?
Pra sofrer por não ter assistido antes,
não ter feito mil sacrifícios na Amazon
em 24 vezes no cartão?
Ou então, ah,
você tem cara disso,
quer ver pra compará-lo com o blockbuster hollywoodiano
localizável em qualquer locadora?

Pois saiba que esse petardo
está destinado a ser aquele tipo de cult
que quase ninguém assistiu mas
todo mundo comentou
entre uma frase sobre a suicida Sarah Kane
e um MP3 do The Shaggs.
“Deve ser enfadonho”, pensam,
“mas como saber com certeza?
Um comentou que tem três horas e meia
e outro disse que foi tão rápido…”

Mas, amor,
que filme de fases!
Só de pensar na fila
já me dá gases!

***

Pós-dramático
Póstumo
Um recado no post-it dizendo
“Não esqueça de ir a Brasília
e antes passar na farmácia
pra comprar Sorine.

Esse sorriso deixou seu ar completamente seco.”

Mas da próxima vez que eu for a Brasília

QUE LINDO.

Bônus:

É hora de revisão de 2008!

Lembra que em dezembro de 2007 eu fiz uma revisão do ano? Não, né? Mas eu lembro que eu fiz. haha

Fiquei com vontade de fazer uma de 2008!

2008 foi ano de:

. Perceber que o jornalismo de moda é antes de mais nada jornalismo. E que nós somos peões, por mais que nossos jabás sejam mais bonitos que os dos colegas. Perceber também que dá mais audiência falar de coisa barata e bacana do que falar de coisa cara e inalcançável – e além da audiência, é muito mais legal!
Jornalismo é uma profissão bizarríssima. A gente reclama de plantão, reclama de cansaço, reclama de pouco dinheiro… mas no fundo a gente ama e só sabe fazer isso.

. Trabalhar com REGINA GUERREIRO! Vish!

. Ficar AINDA MAIS IRRITADO com meu peso e depois chegar à conclusão de que isso é uma besteira. Quero continuar comendo, e muito, e bem. Eu descobri que gosto de comer tanto, mas tanto, que até fiz um blog esse ano por causa disso (o blog está largadinho nesses últimos tempos, a gente sabe, mas vai voltar, prometo)! Como salada pra caralho, almoço direitinho. Ou seja, sou saudável. E tomo cerveja pra caralho também. Então, que se foda.

. Assistir a filmes franceses compulsivamente.

. Morar sozinho! Já era hora, não? Aprendi que dá trabalho mas que se você desencanar às vezes a casa não cai – e a multa da conta atrasada é foda, mas não é o fim do mundo. Eu tenho que agradecer a Bia, que é uma fofa e cuida muito mais da casa que eu. O Teatro da Vida está tranqüilo, em paz e precisando trocar o rejunte do banheiro, mas tudo bem!

. Mudar de emprego. Dá saudades do Chic, sim. Mas na verdade eu já estava com saudades do Chic quando eu estava no Chic, no primeiro semestre.
Quem entendeu, entendeu.
O Abril.com significa muitas outras coisas. E significa que às vezes… o seu hype pode vir em dinheiro, mesmo!!! Surpreendente!

. Descobrir que sexo casual, ao contrário do que minha educação católica insistia em gritar na minha cabeça, é ótimo. Faz bem pra pele. Reanima. E o melhor de tudo é que o participante do seu sexo casual não precisa ser nada, só precisa saber fazer sexo! Ele pode ser feinho, bizarro, completamente nada a ver com você.
Mas pense: já foi difícil eu me convencer que traição não era o fim do mundo. Sexo casual, então… demorou tudo isso. Daqui uns anos eu viro sadomasoquista! Mentira, não viro, não.

. Descobrir mais do que nunca que a Liberdade é a minha segunda casa.

. Me apaixonar por uma pessoa certa. E por VÁRIAS pessoas erradas. Se é que esse conceito de certo e errado ainda vale na PÓISH-MODERRNIDADHI, né, minha gente?

. Encontrar MAIS AMIGOS AINDA! Eu ainda não entendi como consigo ter tantos amigos. Deve ser meu lado geminiano. Quem me conhece muito bem – acho que a pessoa que melhor pode falar disso além de mim é a Tata – sabe que eu tenho “fases de amizade”. Pode ter três meses que eu me sinto superbem com uma pessoa, e falo com ela praticamente todo dia e sei tudo da vida dela. Aí, de repente, bate alguma coisa e eu já não consigo mais ser tão ligado àquela pessoa. Depois de umas semanas ou uns meses, eu posso voltar a ficar superunido a essa pessoa. Acho que é uma questão de fases de vida, mesmo, porque nem todo mundo tem o mesmo ritmo e está a fim das mesmas coisas, dos mesmos programas e dos mesmos papos. Normal. Tem gente que não lida bem com isso – eu mesmo não lido bem, às vezes, quando eu sou o amigo “deixado”. Mas procuro entender, juro.
Fora isso: Mari & Raul + Jana, vocês são lindos.
E existem outras possibilidades amizísticas prontas para estourar em 2009! (antes que a brigue comigo!)

. Me apaixonar de vez por Brasília e de me apaixonar por BH, que devo confessar que não gostava muito. Também foi o ano de relativizar o Rio de vez – não gosto tanto. Talvez tenha perdido o encanto. É bacana, mas não me anima ir para lá como me animava antes. E “re”conheci Fortaleza – e foi muito bom!

. Entender mais alguns amigos. Entender menos outros.

. Beber muito. Dar muita risada. Passar por situações esquisitas. Ser feliz.

Fui feliz em 2008! E 2009, o que nos espera? Nas cenas dos próximos capítulos…

MAGIA CIGANA!
MAMBO CALIENTE!
UM NOVO MOMENTO PARA O TEATRO DA VIDA, SERÁ?
ENCONTROS E DESPEDIDAS?
MAIS CERVEJA, MAIS VARZEAMENTOS!
BEIJOS, ABRAÇOS, SEXO?
$$$?

AMOR?